quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Revista Betel Dominical Adultos - 3º Trimestre de 2019


Revista Editora Betel Dominical Adultos
Slides / Comentários / Vídeos de Auxílio ao Professor
 Trimestre de 2019, ano 29 nº 112
LUCAS
Uma exposição bíblica e cristocêntrica do Evangelho,
da misericórdia e do amor de Deus pela humanidade,
através da vida e obra de Jesus, o Filho do Homem.



Clique no Link de Cada Lição para seu Estudo !



Lição 1 - Lucas e seu Evangelho
Lição 2 - O Espírito Santo no Evangelho de Lucas
Lição 3 - Lucas o Evangelho da Alegria
Lição 4 - O Poder de Jesus Cristo sobre os Demônios
Lição 5 - A Autoridade e o Poder Demonstrados por Jesus
Lição 6 - O Discipulado Diligente
Lição 7 - O Valor do Indivíduo
Lição 8 - O Dever de Orar Sempre
Lição 9 - Recebendo o Reino de Deus como Menino
Lição 10 - Acerca do Fim dos Tempos
Lição 11 - A Páscoa Desejada
Lição 12 - A Crucificação mais Impactante do Mundo 
Lição 13 - Mulheres: As Primeiras Testemunhas da Ressurreição


quarta-feira, 7 de agosto de 2019

Revista Betel Conectar - Jovens - 3º Trimestre de 2019

Revista Editora Betel Conectar + Jovens
Slides / Comentários / Vídeos de Auxílio ao Professor
 Trimestre de 2019, ano 3 nº 10
A TRINDADE DIVINA NA VIDA DO JOVEM

Clique no Link de Cada Lição para seu Estudo !



Lição 1 - A Doutrina da Trindade
Lição 2 - Deus, o Criador
Lição 3 - O Deus Justo
Lição 4 - O Deus Pai e Seu Santo Nome
Lição 5 - A Soberania de Deus
Lição 6 - Jesus Cristo o Filho de Deus
Lição 7 - Jesus, o Salvador do Mundo
Lição 8 - Jesus, o Deus de Amor
Lição 9 - Espírito Santo, o Consolador
Lição 10 - Convencendo o Pecador
Lição 11 - No dia de Pentecostes
Lição 12 - Um Amigo Chamado Espírito Santo
Lição 13 - Trindade, tudo que precisamos






segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Lição 8 - O Dever de Orar Sempre

Aula presencial dia 25 de Agosto de 2019 





AGUARDE POSTAGEM DO QUESTIONÁRIO COMPLEMENTAR



Hinos sugeridos para essa Aula

151 - Fala, Jesus Querido

296 - No Jardim

339 - Jesus Ressuscitado












                                       

Lição 8 - O Dever de Orar Sempre


A oração não é uma opção, mas um “dever” de todos os cristãos.

Texto Áureo
"E contou-lhes também uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca desfalecer." (Lc 18.1)



Verdade Aplicada
O discípulo de Cristo possui um meio por excelência para falar diretamente com o Criador do universo: a oração.
Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno.( Hb 4.16)



Objetivos da Lição
1 - Relembrar a importância do dever de orar sem cessar;
2 - Ensinar alguns aspectos bíblicos sobre oração;
3 - Mostrar quais devem ser as atividades do discípulo ao orar.



Motivo de Oração
Interceda pelo amadurecimento espiritual dos nossos irmãos em todo o mundo.



 Lucas 18.2-5 
Dizendo: Havia em uma cidade certo juiz, que nem a Deus temia, nem respeitava o homem.
Havia também, naquela mesma cidade certa viúva, e ia ter com ele, dizendo: Faze-me justiça contra o meu adversário
E, por algum tempo, não quis; mas depois disse consigo: Ainda que não temo a Deus, nem respeito os homens,
- Todavia, como esta viúva me molesta, hei de fazer-lhe justiça, para que enfim não volte e me importune muito.



INTRODUÇÃO 
Orar não é a única coisa que devemos fazer em prol da causa de Cristo Jesus e da sua Igreja, mas, sem dúvida, é uma atividade indispensável na vida cristã.



1. A RELEVÂNCIA DA ORAÇÃO 
O tema oração é recorrente no evangelho de Lucas.
Em várias ocasiões, ao orar percebemos que estamos em plena guerra espiritual.
Portanto, precisamos permanecer fiéis e continuar orando.

1.1  Jesus Cristo e a Oração. 
Mesmo afirmando que Ele e o Pai era um só (Jo 10.30), o Senhor Jesus durante o seu ministério terreno foi um homem de oração. Não eram orações rotineiras e vãs repetições, mas acompanhadas de "clamor e lágrimas (...) e súplicas" (Hb 5.7), agonia e sangue (Lc 22.44).
Os Evangelhos relatam que Jesus orava pela manhã (Mc 1.35), à tarde (Mt 14.23) e passou a noite em oração (Lc 6.12). Três parábolas tratam do tema oração:
1 - Parábola do Amigo Incomodado (Lc 11.5-8);
2 - Parábola do Juiz Iníquo (Lc 18.1-8);
3 - Parábola do Fariseu e do Publicano (Lc 18.9-14).
Como veremos elas abordam mais as ATITUDES que devemos ter ao orar do que a FORMA como devemos orar.  (Revista do Professor)
(Lições BETEL Jovens e Adultos »  2019 » 3º Trim.)

Os discípulos se sentiram motivados a orar quando viram seu Mestre orando (Lc 11.1-4). As palavras de Jesus eram acompanhadas de atitudes práticas. De nada adianta a beleza das palavras se elas não vêm acompanhadas pelas ações (Tg 1.22). O povo se convence mais rápido pelo que vê do que pelo que ouve. Por isso, o Mestre exortou os seus discípulos a serem exemplos (Mt 5.16). (Lições CPAD Jovens e Adultos »  2015 » 2º Trim.)

A igreja local é um reflexo da liderança, quando se trata da oração. A igreja local segue o exemplo de sua liderança.

[...]Outro item importante à disciplina espiritual é o exercício constante da fé cristã, pelos meio ordinários constituídos por Deus, que são a leitura da Bíblia, a oração, a adoração e louvor e a Santa Ceia. Já o exercício da fé, através dos meios extraordinários, são aquelas obras que Deus realiza no dia-a-dia de nossa vida.
A disciplina espiritual do obreiro deve estender-se à igreja. Observe que, quando Cristo censurou algumas igrejas na Ásia menor, Ele dirigiu-se ao “anjo da Igreja”, que é o líder do rebanho de Deus aqui na Terra (Ap 2.3), porque compete ao líder ser o canal de bênçãos para o povo de Deus.
(Pr. Eli Martins de Souza).

1.2  A Humilhação na oração. 
Na parábola do fariseu e do publicano, o Senhor Jesus advertiu sobre a importância da humildade de espírito quando nos aproximamos de Deus em oração (Lc 18.14).
Na parábola do fariseu e do publicano, o Senhor Jesus advertiu sobre a importância da humildade de espírito quando nos aproximamos de Deus em oração (Lc 18.14).
O fariseu ... estava confiante em si próprio, com as coisas que fazia ou deixava de fazer. Quanta diferença do publicano que, humilhando-se diante de Deus, encontrou perdão. Ainda hoje muitos têm fracassado por acharem-se justos aos próprios olhos. 
"Esta parábola no diz a respeito da oração
(1) Nenhum orgulhoso pode orar
(2) Ninguém que menospreze a seus semelhantes pode orar
(3) A verdadeira oração brota da aproximação de nossas vidas a de Deus."
Comentários de William Barcklay (Revista do professor)
(Lições BETEL Jovens e Adultos »  2019 » 3º Trim.)

O fariseu diz a respeito de si mesmo o que era rigorosamente verdadeiro, mas o que o motivava a orar era completamente errado. Não existe nenhuma consciência do pecado, nem da necessidade, nem da humilde dependência de Deus. O fariseu quase que comete a loucura de "parabenizar" a Deus por ter um servo tão excelente como ele! Depois de suas primeiras palavras, não se lembra mais de Deus, mas apenas de si mesmo. 0 centro de sua oração é o que ele faz. [...].O cobrador de impostos parece não estar à vontade no local de culto. Ele não está apto nem mesmo para assumir o comportamento normal de quem ora. Bate no peito como aquele que está numa situação de desespero, suplica com a fórmula do pecador que não sabe fazer o elenco de seus pecados (Sl 51.3). É a oração do pobre que confia totalmente em Deus. Com profunda dor ele exclama: "Deus, tem misericórdia de mim, pecador!" Nessa breve, porém, sincera e humilde oração, a ênfase recai sobre a palavra "pecador".
A oração aceita.
As pessoas que ouvem atentamente a narração de Jesus talvez tivessem esboçado sinais de aprovação inclinando-se para a atitude do fariseu. Porém, num dado momento, o Mestre desconcerta a todos os ouvintes com uma conclusão inesperada. O publicano, que era odiado por todos, isto é, o pecador, recebe o dom de Deus, a justiça, ou seja, o perdão e a misericórdia divina. Já o fariseu, que ostentava a justiça perante Deus como conquista pessoal, não obteve o mesmo favor. O publicano recebeu o favor divino como dom misericordioso de Deus. Esta é a verdadeira justiça, posto ser proveniente de Deus (Rm 1.17). Assim, a oração aceita é a do publicano. Ela vem permeada de sinceridade e arrependimento diante de Deus. Por isso, ele voltou para casa "justificado", ou seja, perdoado e "inocentado" dos seus pecados. O princípio por trás de toda a parábola está muito claro: aquele que se exalta, será humilhado. Ninguém possui algo de que possa se orgulhar diante de Deus. Quem se humilha, será exaltado (Lc 14.11). O pecador arrependido que humildemente busca a misericórdia de Deus, certamente, a encontrará.
(Lições CPAD Jovens e Adultos »  2018 » 4º Trim.)

1.3  Fé, Necessidade e Exclusividade. 
A mulher da parábola (Lc 18.1-8), mesmo sendo viúva e o juiz um homem que não temia a Deus e nem respeitava o próximo, não deixou de ir "ter com ele" com insistência, ainda que a autoridade tenha demonstrado que não quisesse atendê-la. Contudo, a viúva demonstra três aspectos relevantes: 1) Plena consciência de que necessita; 2) Plena convicção de que aquele juiz podia fazer-lhe justiça; 3) Ela não tinha outro a quem recorrer. São pontos relevantes na vida de oração: como o publicano do tópico anterior, somos carentes da misericórdia de Deus; o Senhor Deus é Poderoso; e não há outro a quem chamarmos.

“A Parábola do Juiz e da Viúva enfoca a oração persistente. Claro que Jesus não está ensinando que Deus é como um juiz injusto. A parábola é dita num estilo ‘quanto mais’. Se um homem iníquo finalmente responde os clamores de uma viúva, quanto mais um Deus justo ouvirá as orações dos seus filhos. A parábola fala sobre uma situação da vida real. O juiz não tem reverência a Deus ou respeito pelos direitos das pessoas. Uma viúva pobre envolvida num processo na mesma cidade pleiteia com o juiz insensível para decidir em favor dela contra um adversário (v.3). Por um longo tempo ele não faz nada, ignorando os clamores por justiça. Como outras viúvas naquela sociedade, ela é impotente e entre a mais vulnerável das pessoas. Ela é dependente dos outros para cuidar dela” (ARRINGTON, F. L. In ARRINGTON, French L.; STRONDAD, Roger (Eds.). Comentário Bíblico Pentecostal. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2003, p.435).



2.  ALGUNS ASPECTOS BÍBLICOS 
A oração é um tema frequente na vida e nos ensinos de Jesus.
Portanto, é sábio o discípulo de Cristo estar bem atento quanto a este aspecto da vida cristã (1Ts 5.17; Ef 6.18).

2.1  Orar com Certeza. 
Em ambas as parábolas (amigo importuno e juiz iníquo), o Senhor Jesus enfatiza que os Seus discípulos, ao orarem, devem fazê-lo com a plena certeza de que estão falando com o "Pai celestial" (Lc 11.13) e que são "escolhidos" de Deus (Lc 18.7). Tendo em mente estas verdades, quanta diferença isso faz na vida de oração dos discípulos de Cristo.
“Porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento e lançada de uma para outra parte”( Tiago 1.6 )

Os três imperativos em Mateus 7.7 (‘pedi’, ‘buscai’ e ‘batei’) são verbos que originalmente estão no presente ativo. Por conseguinte, o sentido dessa passagem é: ‘Continuai pedindo, até receberdes; continuai buscando, até encontrardes; continuai batendo, até que vos seja aberta a porta’. Muito diferente da incredulidade, a importunação e a persistência demonstram a firme determinação de se alcançar um fim desejado, ao mesmo tempo que evidenciam a fé que prevalece contra todos os obstáculos” (BICKET, Zenas 3.; BRANDT, Robert L, Teologia Bíblica da Oração. 6ª Reimpressão. RJ: CPAD, 2006, p.206).

2.2  Disciplinados em Orar. 
Encontramos nas parábolas estudadas neste tópico o destaque quanto a insistência (Lc 11.9) e ao dever de orar (Lc 18.1). Talvez o maior problema dos cristãos em geral seja a falta de disciplina em orar. É fácil começar a orar, mas é difícil permanecer orando. Um dos grandes desafios da atual geração é priorizar a oração. Até mesmo nos templos, infelizmente, no momento da oração há tantos indiferentes que não oram. Não é à toa que verificamos repetições de exemplos de Jesus e ensinos sobre o ser disciplinado em oração, até finalmente sermos atendidos. É fundamental que cada discípulo de Cristo tenha a consciência de que a disciplina da oração deve ser individual (Mt 6.6) e coletiva (At 12.5; 12).
O QUE SÃO AS DISCIPLINAS DA VIDA CRISTà
John Wesley cultivava a piedade, de tal maneira, que os seus colegas, na universidade, apelidaram-no de o metodista. No orar e no estudar a Bíblia, metódico. Erguendo-se ele como um perfeito exemplo de vida cristã, não lhe foi penoso avivar a Inglaterra no século 18. Wesley sabia o quanto são importantes, para o crente, as disciplinas devocionais (Tt 1.7,8).
Definição. Disciplinas da vida cristã são os exercícios espirituais, prescritos na Bíblia Sagrada, cujo objetivo é proporcionar ao crente uma intimidade singular com o Pai Celeste, constrangendo os que nos cercam a glorificar-lhe o nome (Hb 12.8).
Elementos das disciplinas da vida cristã. De conformidade com as Sagradas Escrituras, estas são as disciplinas a que deve submeter-se o crente: adoração a Deus, leitura diária e sistemática da Bíblia, oração, serviço, mordomia do corpo e dos bens, etc. Tem você se dedicado a essas observâncias? Outros elementos, igualmente valiosos, poderiam ser aqui arrolados; estes, porém, já são mais do que suficientes, para mostrar a sublimidade de nossa carreira cristã.
Para inteirar-se melhor do assunto, recomendo a leitura do livro Disciplinas do Homem Cristão de R. Kent Hughes.

2.3  Oração e Vontade de Deus. 
Qualquer tema bíblico deve ser estudado à luz de outros textos bíblicos que tratam do mesmo assunto, evitando, assim, conclusões precipitadas e deturpadas. Quando o assunto é oração, também não é diferente. É evidente que a oração não envolve apenas os aspectos destacados do estudo das parábolas mencionadas na presente Lição: Humildade, Insistência, Certeza, Perseverança, etc. Não é apenas pedir, buscar e bater. Também envolve : Perdão (Mc 11.24-26); Petições e Motivos (Tg 4.3); Vontade de Deus (1Jo 5.14), entre outros.
Orar em nome de Jesus
“[...] O que significa orar em nome de Jesus? Embora tudo ou alguma coisa pareça incluir todas as coisas, estas palavras não são a garantia de que todas as nossas orações serão atendidas. O grande qualificador é a expressão ‘em meu nome’. Isto só se refere ao que está dentro da vontade de Deus. Barclay escreve: A oração em que no final se diz ‘seja feita a tua vontade’ é sempre respondida” (Comentário Bíblico Beacon. Vol.7. RJ: CPAD, 2006, p.124). 

“Orar em ‘nome de Jesus’ é orar em união com a pessoa e o propósito de Jesus, porque o ‘nome’ de uma pessoa simbolizava a sua essência e destino. Nestes versículos temos a promessa da resposta de nossas orações, desde que entendamos adequadamente o contexto do último discurso de Jesus. Jesus prometeu aos discípulos que seus pedidos com relação a dar frutos seriam respondidos porque isto glorificaria a Deus (veja Jo 4.41; 7.18; 8.50,54). Os capítulos seguintes esclarecem isto (Jo 15.7,8,16; Jo 16.23,24).
Quando Jesus diz que podemos pedir tudo, devemos nos lembrar de que os nossos pedidos devem ser em nome de Jesus — isto é, de acordo com o caráter e a vontade de Deus. Deus não concederá pedidos contrários à sua natureza ou à sua vontade, e não podemos usar o seu Nome como uma fórmula mágica para satisfazer os nossos desejos egoístas. Se estivermos sinceramente seguindo a Deus e buscando a sua vontade, então os nossos pedidos estarão alinhados com a vontade do Senhor, e Ele nos atenderá (veja também Jo 15.16; 1 Jo 6.23)” (Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Vol.1. RJ: CPAD, 2009, pp.571-2).
 “Todo aquele que ora pode ter a mais absoluta certeza de que sempre que uma oração for feita de acordo com a vontade divina, a audiência diante do trono da misericórdia está assegurada. Pedir é uma das prerrogativas do crente. Às vezes, o crente não recebe simplesmente porque não pede (Tg 4.2). Por outro lado, nossas petições só serão ouvidas se forem compatíveis com o bom prazer do Ouvinte. Existe a petição motivada por motivos errados (Tg 4.3).
[...] É tolice orar por qualquer coisa que seja proibida pela Palavra de Deus. Por exemplo, orar pela aprovação divina ao casamento de um crente com um incrédulo seria orar contra a vontade de Deus (2 Co 6.14)” (BRANDT, R. I.; BICKET, Z. J. Teologia da Oração. 4.ed. RJ: CPAD, 2007, p.415).



3. ATITUDES DO DISCÍPULO AO ORAR  
Há algumas maneiras de se comportar antes e depois das respostas às nossas orações. Se antes levamos a Deus as nossas petições, com ações de graças e paciência, depois de termos resposta, temos de manifestar nossa gratidão de diferentes maneiras.

3.1  Aguardando pela Resposta. 
Professor explique para a classe que não ter a oração atendida,não significa que Deus não respondeu a oração.
Uma vez tendo sido respondida a nossa oração, podemos ser surpreendidos pela resposta. Embora no momento da resposta à oração fiquemos surpresos, isso não deve significar que não estivéssemos esperando a resposta divina para o nosso dilema. A mulher da parábola aguardava e obteve sua vitória. O Salmista disse: "Esperei com paciência no Senhor, Ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor" (Sl 40.1). Mesmo que Deus diga "não", lembremo-nos que o Seu plano para conosco é perfeito, e Ele com certeza proverá algo muito melhor para nós em Sua sabedoria e poder. 

3.2  Reagindo à Resposta. 
Toda a oração respondida por Deus deve ser seguida de gratidão. Há níveis de gratidão que um cristão pode demonstrar de acordo com o significado da resposta alcançada. Há respostas muito significativas para alguns, por exemplo: Ana, a que fora estéril, teve um bebê; Naamã curado de sua lepra; mulheres libertas de espíritos imundos por Jesus; Davi ao sobreviver a muitas batalhas. Todos estes agiram com alguma forma de gratidão a Deus. Nós também podemos ser agradecidos a Deus com palavras e louvor, mesmo antes de termos resposta através da fé. Podemos contar nosso testemunho num culto e também podemos levar uma oferta ou abençoar alguém em gratidão a Deus (Sl 116.12).
Ter a oração respondida só é alcançada pelas pessoas que servem a um Deus Vivo, pois um deus morto não tem capacidade de ouvir e responder. A Bíblia fala do deus que tem ouvido, mas não ouve (Sl 115.6). Servimos a um Deus que ouve e tem a capacidade para responder. A Palavra de Deus estimula fortemente a prática da oração (Sl 4.3; 65.2; 1Ts 5.17; Tg 5.16). O apóstolo Tiago, por exemplo, conclui o seu livro com um incentivo à oração (Tg 5.13-18). Devemos ser sempre gratos a Deus em nossas orações.
Obs. Uma oração não respondida também pode ser um motivo de gratidão considerando que Deus sabe o que é melhor para nós.
Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco. (1 Ts 5:18)
Na verdade o apostolo Paulo não diz por tudo, mas em tudo (qualquer situação) (Lições BETEL Jovens e Adultos »  2018 » 1º Trim.)

3.3  O que Demonstra a Resposta. 
O Senhor Deus não apenas criou o ser humano, como também tem interesse em manter relacionamento com o mesmo. Desde o início o Criador toma iniciativa na busca de relacionamento (Gn 2.18-22; 3.8-9). A resposta às orações é mais uma demonstração do interesse de Deus movido pelo amor para conosco. Além das parábolas citadas nesta lição, há vários textos bíblicos que manifestam o interesse de Deus que os Seus servos se comuniquem com Ele (Sl 27.8; 34.17; Jr 33.3; Fp 4.6-7). Disse Jesus: "Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito." (Jo 15.7).
 O Deus abençoador.
[...] iremos destacar a atitude abençoadora que caracteriza o relacionamento de Deus com Sua criação, bem como identificar os diversos sentidos da palavra bênção nas Escrituras Sagradas e a importância de termos consciência de que Deus sempre age tendo em vista Seus propósitos. Ou seja, as ações de Deus não são isoladas ou meramente “acidentes de percurso”. Elas não são separadas do processo existente na relação de Deus com Suas obras, pois fazem parte do mesmo, visando alcançar o propósito divino (Pv 16.4; Is 55.11; Rm 8.28).
(Lições BETEL Jovens e Adultos »  2018 » 1º Trim.)
Jó entendia muito bem este mistério:
Então respondeu Jó ao SENHOR, dizendo:
Bem sei eu que tudo podes, e que nenhum dos teus propósitos pode ser impedido.(Jó 42:1,2)



CONCLUSÃO
Uma vida contínua de oração e leitura, como também a aplicação prática da Palavra de Deus são elementos indispensáveis para os quais todo cristão deve atentar. Não há outra maneira de viver o Reino de Deus aqui na Terra. Que possamos perseverar em orar e ler/aplicar as Escrituras.



QUESTIONÁRIO

1. Qual tema é recorrente no evangelho de Lucas  ?
R.: A Oração (Lc 18.1).

2. Como Jesus iniciou e encerrou Seu ministério ?
R.: Com Oração (Lc 3.21;22.41-46).

3. Como deve ser a disciplina da oração ?
R.: Individual e coletiva (Mt 6.6; At 12.5,12).

4. Como devemos reagir a uma oração respondida por Deus ?
R.: Com Gratidão (Sl 116.12).

5. Quem, desde o início, toma a iniciativa na busca de relacionamento ?
R.: O Criador (Gn 2.18-22; 3.8-9).



BIBLIOGRAFIA

[1] Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - ARC
Biblia de estudo pentecostal, Almeida revista e corrigida, Rio de Janeiro, CPAD
Bíblia do Culto - Editora Betel
Revista EBD Betel Dominical Professor - 3 trimestre 2019, ano 29, número 112 - Editora Betel


                              AGORA VAMOS A VÍDEO AULA SOBRE ESTA LIÇÃO.  TENHA BOM ESTUDO !                             
    
   





                                                                                                                                                                              
[     

Olá Estimado Professor, segue abaixo o material de apoio, uma lição completa da CPAD que trata alguns pontos da nossa Lição Betel desta semana, vale a pena da uma lida e também assistir os vídeos de pré-aula, basta clicar, vamos lá ?

Clique Aqui - Lição CPAD Completa - O Fariseu e o Publicano

Clique Aqui - Lição Completa CPAD - Juiz Iníquo e a Viúva